Um brinde, papi


Não vou mentir. Voltei a beber socialmente. Duas, três caipirinhas. Sex on the beach, gim tônica e outros destilados. Ao contrário do que acontecia antes, no início da depressão, eu não fico mal mais, não me traz lembranças do passado. Me deixa feliz, vivendo o presente, cantante, sorridente e sorrindo. Traz alívio a toda aquela dor. Parece que eu nem tenho problemas. Parei meus remédios por isso? Não! Sei quais efeitos a bebida e os remédios farão no meu corpo? Ainda não. Mas, na segunda-feira, tenho consulta com meu psiquiatra e pretendo perguntar. Perguntar sobre isso e muito mais. Por que eu esqueço tanto as coisas? Porque o remédio que é pra me dar energia, não surte efeito e eu fico com sono o dia todo? Por que a noite eu fico tão acordada, mesmo com os remédios de dormir? A codeína e o opioide dos últimos dias interferiu em algo ou pode vir a interferir? O que acontece comigo, quando os drinks e a saída com os colegas é um alívio para minha mente insana, que me enlouquece pela manhã, mas encontra alívio no álcool à noite?

A partir do relato acima, mais uma hora de conversa com o psiquiatra, descobri que tenho propensão a me tornar alcoólatra.  
Logo eu hahahahaha
Eu que nunca gostei de cerveja, que fiquei oito meses sem colocar uma gota de álcool no estômago. Eu que, mais nova, só tomava vinho barato, porque era doce. A mesma eu que gosta de drinks, porque parecem suquinhos. Eu, aquela super fraca para bebida.

HAHAHAHAHAHA

É de rir, é de rir muito da vida.
É de rir que, meu pai, que sempre jogou pedras no irmão viciado em jogos e álcool, tem uma filha propensa a ser alcoólatra e um filho que vive para jogar e joga para viver. A vida é mesmo uma merda, né? Cheia de pegadinhas filhas da puta.

O brinde da caipirinha dessa foto, vai para você, pai. Você que fodeu a minha vida inteira. Você que ainda acha que existe essa história de ser dono de alguém, e acredita ser o meu, mesmo há tantos quilômetros de distância.

O brinde do dia que eu cheguei em casa com estranhos me oferecendo ajuda, porque eu estava trocando as pernas, vai também para você, pai. Parabéns pela minha ótima criação. Por ter me feito prisioneira em um castelo de cartas que desabou em cima da porra da minha cabeça.

O brinde de um babaca querendo me embebedar para me comer, é todo seu, papi! Parabéns por ter sido o melhor pai por mais de meio século. Um brinde aos meus quase quilos de remédios diários, todos culpa dos seus abusos psicológicos. Parabéns por ter pago a faculdade mais cara da cidade, para eu ter um emprego de merda, que fode ainda mais minha cabeça.

Um brinde ao imbecil que você continua sendo e que nunca vai mudar.
Um brinde a mim, que me deixo afetar pela sua sombra sombria pairando sobre mim.
Um brinde aos médicos, terapeutas e farmácias, por me drogarem e me arrasarem.
Um brinde à vida maravilhosa!

0 Comentários